Arquivo da categoria: Texto Médio

A extinção de um homem

Senhor luiz, um lugar – chamou Carla, a recepcionista da noite. É uma moça bonita, como um cartão de visitas daquele restaurante tradicional, que hoje está mais lotado do que a prudência aconselharia, mas não mais do que os outros da cidade. luiz, um lugar, ela volta a chamar quase impaciente, e até mesmo na dúvida se a anotação estaria correta, ou seria mais um 7 meio apressado, que se passa pelo 1 solitário. Não é o caso. Os casais à espera soltam risinhos abafados, provavelmente imaginando um rapaz jovem sem companhia para aquele 12 de junho, e portanto menos merecedor que eles daquele jantar, e principalmente, daquela mesa que comportaria tão bem um casal de apaixonados.

No canto levanto da cadeira e sigo Carla até minha mesa, com a consciência de que a saudade é tão grande que já não me cabe inteira, e que as pessoas descobrem isso desde o primeiro segundo em que me veem, e agora me olham com dó, enternecidas pelas décadas que me separam de você e fazem com que eu seja só saudade. Vinte e cinco anos sem você, e as pessoas continuam a me ver assim. Sou saudade. Sou amor. Sou seu, meu bem.

Hoje seria nosso aniversário de namoro, ou pelo menos do dia em que te beijei e comecei a viver por inteiro, sem saber que a vida por inteiro seria interrompida na metade. Nós tínhamos tantos planos, tantos desejos, tantos anos, e hoje temos uma distância intransponível entre nossos sentidos. Brincando com a verdade, digo que se eu morrer repentinamente vai ser de saudade da sua voz, porque afinal, como se mata a saudade da voz de alguém? A nossa foto ainda se mantém na cabeceira da cama, mas por mais que eu fale com ela, com você, meu amor, a resposta nunca me soa aos ouvidos acariciando meu cabelo como você fazia e me enchia de vontade de viver, simplesmente pra ter você ao meu lado. Por muitos anos o medo de esquecer sua voz me assombrou de tal forma que passei a te ouvir em todos lugares, o que só fez com que os dias passassem mais lentos, atrasando o meu retorno ao seus braços, me colocando na lista de extinção junto com o mico-leão-dourado e outros animais mais fofinhos do que eu. Já não tenho mais certeza se sua voz era como minha mente reproduz, mas sei que logo vou poder te abraçar de novo, e então poderei ser feliz por inteiro mais uma vez, mas prometo que vou deixar tudo certinho por aqui, como você me fez prometer naquele dia.

Nossa menininha já vai casar, e levá-la até o altar é a última coisa que eu posso pedir ao nosso bom Deus antes de te encontrar. Isso, e que o Brasil seja campeão dessa Copa! Mas eu sei que você não gosta de futebol, e hoje a noite é só nossa. Até deixei de assistir ao jogo de estréia com o pessoal do banco porque vir aqui, neste mesmo restaurante para pedir o seu prato preferido, lembrar do gosto da sua boca depois de tomar vinho, de voltar te segurando até o carro fingindo estar mais bêbado que você para que você não se sentisse mal, tudo isso mantém você aqui ao meu lado. Não como uma alma penada que ainda não achou seu lugar, mas como uma lembrança viva que faz o vazio do meu coração ser um pouco menos oco, porque o corpo morre, mas o amor vive enquanto as memórias forem doces. E você sempre foi puro açúcar. Feliz Dia dos Namorados. Eu to chegando.

André Petrini

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Conto, Texto Médio

Quero ser astronauta

Eu sempre fui assim, meio gordinho. Na escola era difícil, porque ser criança é sempre difícil. Mesmo as loirinhas de olhos azuis devem sofrer na infância, por algum motivo. Cada um sofre pelo que pode, e eu me recusava a sofrer por ser gordinho. Me restava sofrer pelo mundo, que se desfalecia à minha frente.

Vi Luiza morrer junto com Felipe naquele acidente de trem, poucos dias após o nascimento de seu primeiro filho. A parte que restou dela foi perdendo o brilho a cada dia, e sempre que vejo a foto do batizado do Marcelinho, com seu olhar longe cheio de pesar, volto àquele momento e tenho vontade de ficar abraçado a ela chorando a perda do nosso amorzão. Todo mundo amava Felipe, e ele era grande o suficiente pra abraçar todas as crianças juntas, nos levantar e ainda jogar no sofá, já suado e morrendo de rir. Talvez por isso sua casa fosse tão acolhedora. Para mim, entrar lá era como estar abraçando Felipe, ouvindo suas gargalhadas, me aquecendo em seu corpo macio e já sentindo o cheiro do prato que tia Luiza preparava, colocando tanto tempero quanto tinha de amor. Viver era bom, e fazia a gente esquecer que tinha uns quilinhos a mais.

Depois do acidente, Luiza foi morar com seu filhinho em um apartamento tão pequeno, que cabia toda sua vontade de viver. Como não ganhava bem, o lugar ficou vazio pór vários anos, apenas com suas camas, uma pequena TV e o toca-discos empoeirado deixado por Felipe. A gente não tinha certeza, porque depois do acidente a tia Luiza ficou muito fechada, mas todo mundo sabia que ela passava várias noites sem dormir, agarrada ao bebê olhando pela janela, ouvindo o apito do trem, da batida, do telefone tocando no meio da tarde, do “venha até o hospital”, do “não conseguimos”, e por fim, do choro do Marcelinho que sentia a dor da mãe como se fosse sua, e chorava como a chamar seu pai pra acabar com aquela contrariedade toda.

Certa vez a tia ficou assim no meio da tarde, logo após o almoço, olhando o copo com suco igual ao que o amorzão gostava. Sofri segundos inacabáveis com ela, lembrando de cada um dos sucos que a vi preparando com amor pra ele, e de sua satisfação ao vê-lo tomar aquilo como quem recebe um abraço. O sorriso aberto, as costas da mão pra secar a boca e a gota de suor já escorrendo pelo rosto. “Que gostoso, amor”. Era sempre igual, mas estava sempre gostoso. Com os olhos inundados, perguntei se ela estava bem.

Sem que ela respondesse, entendi que às vezes o mundo é sofrido pra quem ama demais, e é preciso um lugar mais afastado, pra se depositar toda a dor do coração. Na Lua ninguém é gordinho. Na Lua o trem não pega ninguém.

 

Texto de André Petrini

Deixe um comentário

Arquivado em Conto, Texto Médio

Gelatina de morango e leite condensado

Férias em Bombas, Santa Catarina. Estava bom, mas agora não mais.

Mais que sol, só tomei cachaça nesse verão.

Não, pera. Elas não tão ligando o carro. Elas tão indo? E…las…tão……………………in…dem…bo…ra. E eu aqui sozinha olhando pra dois dos meus agora ex-dentes no chão. E eu ainda fui olhar preço de passagenzinha de ônibus pra elas virem pra esse inferno. Tomara que a polícia pare essa porra desse carro roubado daqui um minuto, ali perto daquele negócio em cima, sei lá o que é aquilo. Comércio, enfim. Ou elas podiam bater essa desgraça e morrer, também. Tinham que tomar tiro na cara, as duas, e aí sim bater e explodir. Deve ser difícil ver carro explodir. Carro não explode. Deve ser por isso que explode em filme de ação, porque é mentira. Mas aqui num tem Van Damme, num tem Dragão Branco, Entrevista com o Vampiro, Missão Impossível, Duro de Matar, Transformer, Crepúsculo, Dois Coelhos, Tropa de Elite, jogo voraz, Cidade de Deus, Harry Potter e a Casa do Caralho, nem porra nenhuma.

Acabou. Dentista é caro. Pior que caro: dói com anestesia, sem anestesia, sei lá o que eles usam na injeção. Deviam colocar mais daquele negócio que deixa a boca toda morta em toda anestesia. Micrograma, miligrama, grama, sei lá. Tinha que ter daquilo em quilo, litro. Dentista faz doer. Incomoda, morder a língua e tudo por dentro, e sangra, sangra. Algodão, cospe, água, jato de ar, barulho sinistro. Tô sem dinheiro nem pra voltar pra casa, quanto mais pra dentista. Piada de dentista é meio sem graça. Dentista é meio sem graça. Dentista é dentista, tanto faz. Deve até ter dentista engraçado, mas eles não precisam, porque dentista não é palhaço do Beto Carrero. Nem aí. Não ia voltar pra casa mesmo, nem pagar pra ir no dentista, nem nada. Nem sei que horas tem ônibus, nem quero saber.

Cadê minha filha? Isso eu queria saber.

Era mais legal olhar pros meus dentes fora da boca quando eu tinha cinco ou seis anos e eles caíam, um a um, empurrados pelos novos nascendo. Enrolar um dente de leite mole com fio dental e mexer de leve pros lados, puxar devagar, até a hora que ficar bom de arrancar. Isso é bom. Era bom. Era vida. Era morrer um pouco. Agora não tem nada bom. Tá tudo errado. Cheiro e gosto de sangue na boca cheia de saliva, pinga com limão e dor. Minha cara deve tá ficando preta do tanto de soco que levei do segurança. Um cara desse tamanho batendo em mulher. Num tem mãe não, oh?! Minha boca tá sangrando. Vou vomit…

Respira. Respira. Inaaaaaaaaala. Exaaaaaaaaaaala.

Inara, Inara, Inara, Inaraí…

Tem gente que rouba coisa pior que gelatina e leite condensado e fica solta. Acabou. Não vou fazer minha batida tradicional hoje, e eu juro que queria beber um pouco daquilo. Sem veneninho pra mim. Queria tomar um banho gelado. Não fico presa muito tempo não, pelo menos. Será que os funcionários desse mercado tomam banho na loja? Acho que esse segurança devia perguntar lá dentro, que ele tá fedendo mais que eu. Ó a sirene chegando. Vou apanhar mais um pouco e esperar a polícia sem bagunçar mais nada. Não consigo fugir.

Não tenho força pra lutar com esse Monstro.

Nem queria ter.

Não vou resistir, nunca mais. Pra nada.

Marco Antonio Santos

Deixe um comentário

Arquivado em Texto Médio

Cartas de Camila | Bianca

Deisy Soares!

Camila tinha apenas 7 anos de idade quando sua mãe resolveu ir embora para a capital em busca de uma vida melhor para sua filha. A mãe de Camila, Dona Joana, sonhava em abrir um Café do outro lado da rua de sua casa. Imaginava o dia em que estaria preparando seus sonhos – ela adorava fazer sonhos de nata – enquanto sua filha a observava cuidadosamente, do balanço de madeira instalado no jardim.

Dona Joana foi, mas nunca mais voltou. Camila foi criada por sua avó materna, não chegou a conhecer seu pai, e estava sempre rodeada por tias. Camila vivia uma vida tranquila, mas sem uma mãe ou sonhos de nata.

Camila se sentia sozinha. Sua avó, já muito doente, não era a companhia mais estimulante. Suas tias fofoqueiras passavam o dia entre opiniões e julgamentos alheios. No meio de tantas pessoas e tantas lamúrias, ela não tinha ninguém que a escutasse. Assim então, Camila costumava ficar em seu quarto, escrevendo suas cartas. As cartas davam vozes aos seus sentimentos e aliviavam as dores do seu coração.

O seu tempo era dedicado aos outros, Camila não tinha vaidade, não sabia o que era cuidar de si. Tinha dores no peito, tinha um coração grande demais, tão grande que um dia ele parou de bater.

Dois anos se passaram desde a morte prematura da menina Camila, e os seus familiares ainda não conseguiam olhar para aquelas paredes do seu antigo quarto sem cair em desespero. Isso deixava tia Clarice incomodada e agitada. Foi então que em um dia morno de domingo ela resolveu fazer uma faxina naquele quarto.

Enquanto varria embaixo da cama e cantava uma melodia animada, Tia Clarice encontrou um pequeno baú, sem hesitar, abriu sem cuidado, encontrando cinco envelopes amassados. Ficou curiosa, pegou os envelopes, escolheu um aleatoriamente. Abriu.

Era uma carta de Camila para sua amiga mais próxima, Bianca.
Bianca era uma menina que tentava ser uma boa amiga, mas na maioria do  tempo esquecia de ao menos perguntar se Camila havia tido um bom dia.

“Oi Bianca,

Estava pensando nos últimos tempos, mastigando o quanto nós nos afastamos uma da outra, e sentindo uma nostalgia dolorida.

Sabe, lembro-me dos seus olhos perdidos e sinceros. Quando te encontrei, apavorada pelos corredores da escola. Você não sabia muito sobre o mundo e suas dores, era uma menina docemente ingênua.

Me apaixonei pela sua vontade em dedicar-se a ajudar outras pessoas, me impressionei com o nossa afinidade na busca pela melhor forma de ser indiferente às coisas negativas da vida. Não existia egoísmo, não existia orgulho, só existia garra. Éramos unidas.

Não sei o que aconteceu, ou em que momento eu te perdi, nem por que nós nos afastamos, mas sinto que se eu soubesse toda a decepção que ia acompanhar a nossa amizade, realmente não sei se eu teria te ajudado e feito tudo de novo.

Te amei, te amparei, até te ajudei a achar o seu caminho. Já fui como mãe, peguei na sua mão, te ensinei a dar um passo de cada vez, te ensinei a andar. Talvez seja simples perdoar pessoas “pequenas”, mas não sei se é possível perdoar alguém que já foi tão grande em minha vida.

Como Judas, a sua traição foi silenciosa, o punhal era afiado, matador, veio em golpes rápidos, acertando direto a minha jugular. Senti um gosto amargo, gosto de sangue que escorre no canto da boca e explode enquanto o coração pulsa rumo a um enfarto agudo. A morte do amor que estava ali. Um tipo de decepção, que deixa a cabeça tonta e sem rumo, arrancando o chão que estava sempre ali, firme, forte, intocável.

Eu já disse coisas desagradáveis sobre as suas atitudes, mas nunca te desejei nenhum mal. Infelizmente, pelas minhas costas, você plantou coisas ruins sobre mim para outras pessoas e não se importou com as minhas necessidades, querendo a minha desgraça, desejando para mim, coisas que eu jamais desejaria para você.

Será que fui eu que errei e não vi? Será que fui eu quem magoou e não notei? Será que fomos nós que nos esquecemos de o que é uma boa amizade?

Pensando em tudo isso chego a me sentir com o peito apertado, culpado, sem saber o que dizer. Será que fui eu ou será que foi você? No meio do caminho talvez fossemos nós que nos silenciamos diante de um momento de orgulho bobo, sem tentar parar para resolver isso de uma forma sensata. Demos brechas e ouvidos para as nossas inseguranças, deixando mesquinharias roerem o nosso laço.

Só espero que nossas dores passem, e passem logo. Que elas cicatrizem e se tornem marcas bonitas como as dos heróis de guerra. Pois se for para lutar, é melhor que o rumo seja a vitória.

Com saudades da minha querida Bianca.

Camila”

Tia Clarice fechou os olhos, sofrendo com a saudade e vontade de abraçar sua pequena sobrinha. Ninguém sabia dos sentimentos de Camila, ninguém nunca lembrou de perguntar sobre sua vida, ou sobre os seus dias.

Camila nunca disse para Bianca o que sentia, mas sorria, nas poucas vezes em que as duas se encontravam.

Deixe um comentário

Arquivado em Convidado, Literatura, Texto Médio

Para que não pense que não me importo

por Marília

Deu vontade de te escrever. Posso, Lucas? Até imagino sua cara rindo da minha quando te faço essas perguntas que não cabem um não. Depois da nossa conversa de ontem de 140 caracteres e uns ais a mais me lembrei da Dona Ruth e da Brida. Calma, já chego lá. Na 6ª série comprei um livro da Dona Ruth, a senhora corcunda que vinha da cidade grande com sua feira de usados e enchia o pátio da escola de curiosidades. Em meio a Drummonds, Bandeiras, Lobatos e rotos Alencares, comprei Brida, do Paulo Coelho. Viu, como sou sincera contigo? Te entrego de bandeja uma história para você bolar suas infinitas piadas de mau gosto que tanto me fazem rir de mim.

Em uma passagem do livro, Brida falava ao telefone e nesse momento – isso acontecia com frequência quando estava ao telefone – ela entrou numa espécie de transe, no qual muitos sentimentos e possíveis fatos chegaram a sua mente ou espírito ou sei lá em que não-lugar dela. E tudo isso pra dizer que, muitas vezes, quando estou conversando com você sinto um pouco disso, desse transe. Muitas coisas vêm à minha cabeça e fico com vontade de escrever depois que falo contigo, mesmo rapidamente. Achei engraçado você, logo você, fazer eu me lembrar de Brida.

Mas deixe Brida de lado, até porque não tenho mais o que falar dela. Você queria tanto que eu falasse da gente, então vai lá. Tenho me perguntado: do que aconteceu o que foi presente? Porque o passado é tanto. É por isso que fui embora e não fiquei em sua casa como me pediu naquela tarde, Lucas. Não posso chegar assim na sua vida e achar que o mundo para naquele instante e como numa opção de análise do tempo eu clicasse em ocultar. É difícil equilibrar o ser verdadeiro com você mesmo e com os outros, porque as perguntas sempre chegam e as perguntas são bem piores que as respostas, chegam na hora errada e com uma carga de interpretações, sensações e conclusões cruéis.

Lucas, você tem que descobrir como irá seguir suas vontades em contraponto ao que elas podem causar às pessoas próximas ou a você mesmo. Verdades são tão bonitas, eu sei. As piores são saborosas e humanas e te jogam na cara o que é estar em frente a uma pessoa de fato. Uma pessoa que é mais do que você vê, nadinha linear e que nunca poderá prever o fim por mais que tente. Nossa, e como tentam! Buscar certezas é algo tão desumano. Por isso, me calo tanto.

Deixe um comentário

Arquivado em Convidado, Literatura, Texto Médio

Dórian

por Murilo

Não foi quando papai morreu que eu descobri que ninguém escapa da morte. Foi algumas semanas depois, quando morreu Dórian, meu peixinho imortal.

Ganhei Dórian de meu pai quando tinha quatro anos. “É um peixinho imortal, filha”, disse. O nome foi ele mesmo quem deu. Falou que era nome de um personagem de livro famoso, belo e imortal como o peixinho. De lá para cá, não posso dizer que tive momentos extraordinários com Dórian. Apesar de bonito, inteiro vermelho e com longas barbatanas, não deixava de ser um peixe, que nadava e comia e só. No entanto, posso dizer que ele sempre esteve lá.

Eu entrei para a primeira série, fiz amigas, odiei garotos, cresci, entrei para a quinta série, comecei a gostar de garotos, fiz inimigas, dei meu primeiro beijo, fui ao meu primeiro show, tive meu primeiro namorado, voltei a odiar alguns garotos, fui para a Disney, me formei depois da oitava série, e Dórian ainda estava lá. Quando eu contava às pessoas, elas não acreditavam. Um peixe ornamental daquela espécie vive em média três anos e pode chegar a, no máximo, oito, se bem cuidado. O meu já tinha mais de dez, e eu nem cuidava assim tão bem dele. “Ele deve ser mesmo imortal” eu pensava.

Dois anos depois, papai fez uma cirurgia complicada no coração e não sobreviveu. Por vários dias eu chorei e, depois disso, para que não cessasse meu pranto, foi Dórian que, em um dia frio, apareceu boiando no aquário. Só então minha mãe me contou toda a verdade.

Não havia existido apenas um Dórian, mas vários. Meu pai trocava o peixinho por outro muito parecido cada vez que parecia abatido, ou se simplesmente já tivesse vários meses de vida. Uma vez, ela contou, o peixe morreu de repente e papai saiu na madrugada atrás de outro, para que eu o encontrasse vívido e exuberante pela manhã. Era assim que ele cumpria o que havia dito, era assim que fazia de Dórian imortal.

Nos anos seguintes, não estava lá meu pai, mas estavam alguns homens tentando se passar por ele. Não foram poucos os namorados que minha mãe, bonita como era, trouxe para casa. Marcos, Fabrício, Daniel, eu nem me lembro.

O tempo vagou. Tomei meu primeiro porre, perdi a virgindade, comecei a fumar, passei no vestibular, beijei uma menina na faculdade, comecei a trabalhar, saí de casa, parei de fumar, me formei. E quem estava lá eram os namorados da minha mãe, constantemente substituídos, sempre gentis, querendo me agradar.

Hoje penso que seria melhor se ela tivesse continuado a trocar apenas o peixinho.

Deixe um comentário

Arquivado em Conto, Literatura, Texto Médio

Gente de bem não explica tatuagem

Toda festa tem suas peculiaridades.

Nessa, os presentes pegam os telefones dos bolsos e das bolsas para falar com gente que não está lá, para twittar sobre cada tópico discutido em tempo real, para atualizar seus status no facebook ou para usar outras redes sociais. Muita previsibilidade e elaborações banais sobre tudo e nada, como esta anterior, aliás. No salão enorme, mas pequeno demais para tanta gente que, ao menos autodeclaradamente, brilha, admitem inconscientemente que prefeririam outras companhias. Pelo menos neste momento, ou em todos os outros que ocorram dentro dessa noite tão pobre de emoções.

As mulheres e os homens são bonitos, ou estão arrumados, o que costuma ser mais ou menos a mesma coisa nesse tipo de contexto.

Representantes do empresariado local e dos poderes municipal, estadual e federal fazem discursos mais longos que os temas merecem. Mas disso eles não podem ser culpados, porque os discursos são sempre assim. São palavras e palavras e palavras e sorrisos e aplausos protocolares que parecem não ter fim e que conseguem irritar, mesmo que em pequena escala, 298 pessoas que os assistem (dentre um número total de 316 espectadores). Os discursadores no entanto acham que estão fazendo um trabalho agradável, mas disso também não podem ser culpados, já que a autocrítica nunca é a qualidade mais presente ou evidente no comportamento de quem quer que seja.

Definição boba da ideia de guerra contra o ego: é mais comum declarar que deflagrar.

Esta e outras frases feitas de palavras ao vento certamente continuarão vindo, carregando pesadamente conceitos batidos, verdadeiros ou não, mas que continuam a ganhar resistência com o tempo, curtidos em seus próprios usos irrestritos.

Já na porta, uma dupla de tequileiros faz um show pirotécnico para servir uma bebida que é etilicamente próxima do conhaque, do uísque, da vodka e da cachaça, mas que é apresentada como uma porta de entrada a um terreno de diversão descontrolada, passional, intensa. As razões para que isso aconteça são tão obscuras quanto os filmes de cinema e peças de propaganda que inicialmente começaram a difundir a ideia. Eles, os tequileiros, são pagos para emular o México que é visto nos filmes, que por sua vez emula o México da literatura criada por quem não vive no país, que por sua vez tem pouco ou nada a ver com o México de verdade. Não que seja necessário incutir qualquer suposta autenticidade num show assim, visto que a fascinação com o fogo e a atenção que gritos chamam jamais serão temas exclusivamente mexicanos.

Realidade, ou: uma construção de cuja origem ninguém lembra por razões mais óbvias que as culpas e os arrependimentos.

Pastiche torto. Um baile de máscaras sem música ou dança. Natimorto, então.

Muitos andam com um certo ar blasè pelo evento, apesar de estarem bastante interessados em fazer novos amigos, desde que estes sejam influentes em certos círculos da cidade.

Agora, os discursos acabaram, e iniciou-se o aproveitamento dos pratos e bebidas da noite. Esta degustação é o motivo da presença de quase todos, com exceção de um dos membros do poder municipal, que vê na parceria com os empresários que aqui estão uma plataforma eleitoral interessante e proveitosa o bastante para tirar-lhe de casa nessa data, que coincide com o aniversário do filho mais novo dele.

Daquele jeito:

ninguém é perfeito.

Ouve-se ao longe uma moça vociferando contra a configuração da sociedade, e contra a falta de oportunidades e condições iguais para que todas as pessoas possam se desenvolver bem e através dos próprios esforços. Ela acabou de ser filmada para aparecer na coluna social de um programa local de televisão, destes que cobrem este tipo de evento. Ela descobriu hoje que passará a ganhar um salário maior no emprego devido a uma promoção. A hipocrisia dos outros a irrita, só um pouco menos que a evidente falta de alguém qualificado para discutir o tema agora. Dessa forma, e a despeito de já passar da meia noite, liga para uma grande amiga, que vem a ser também sua manicure, toda vez que a agenda de ambas permite. E a agenda de ambas sempre permite, toda quinta-feira às 19h30, com raras exceções, a R$ 15,00 a sessão.

Serviçais servem serviçais que fingem não sê-los. Os serviçais que servem não conseguiriam garantir a estranheza dessa relação por causa da alta quantidade de trabalho para realizar. (A quantidade de atividades forçadas que alguém realiza é sempre inversamente proporcional ao tempo que se tem para refletir sobre a natureza delas, seja quem as pratica quem for). Mas os serviçais que estão sendo servidos sim, sabem que têm a quem se reportar em algum lugar, mas não gostam de pensar nisso. Em alguma instância, nem podem, pelo bem da continuidade de seus projetos pessoais de felicidade.

Um dos destaques positivos da noite é o sabor de um dos pratos. Trata-se de batata frita, mas com um molho de nome estrangeiro que ninguém conhece mas não tem desenvoltura para admitir. Muitos têm uma opinião bastante elaborada sobre a qualidade e o sabor deste molho, comparando-o ao original, (diz-se que) criado e servido num vilarejo na Itália. Lá, inclusive, ele parece ter algo a mais, talvez pela qualidade do terreno e dos tomates que são cultivados na região.

E a volta às obsessões, sempre as mesmas:

a penúltima linha, agitada.

A última linha, serena.

Marco Antonio Santos.

A parte um tem pouco a ver com esta, mas de qualquer forma está aqui: Gente de bem não fala esperanto

Deixe um comentário

Arquivado em Conto, Literatura, Texto Médio